Seguidores

CRIE SUA CONTA FACEBOOK E JUNTE-SE A NÓS

CONHEÇA MEUS OUTROS BLOGs

POR FAVOR, QUANDO COPIAR ALGUM TEXTO COLOQUE OS CRÉDITOS PARA O AUTOR.

ENTENDA O QUE O LÚPUS E COMO TRATAR?

Como surgem essa doença?

O lúpus é uma doença autoimune (quando o sistema de defesa do corpo produz anticorpos contra células, tecidos ou órgãos do próprio corpo), que costuma ser mais comum em mulheres jovens.

Lúpus é uma doença autoimune e muito rara, mais frequente nas mulheres do que nos homens. O problema está no desequilíbrio do sistema imunológico que é ela provoca. Sendo assim, a defesa se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, rins, cérebro e outros. Daí o motivo de a apresentadora reclamar de seus rins.

Conhecida no meio médico como LES (Lúpus Eritematoso Sistêmico), ela é uma doença inflamatória crônica pouco frequente que pode acometer múltiplos órgãos e apresentar alterações da resposta imunológica, com presença de anticorpos dirigidos contra proteínas do próprio organismo, de acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia.

como se pega o lúpus.

Embora a causa do LES não seja conhecida, admite-se que a interação de fatores genéticos, hormonais e ambientais podem desencadear a doença

Até hoje não se conhece uma causa específica para a pessoa desenvolver lúpus, mas sabe - se que existem fatores genéticos, hormonais e ambientais envolvidos. Algumas pessoas nascem com uma chance maior para desenvolver a doença. Dizemos que essas pessoas têm uma maior susceptibilidade para o LES.

Por outro lado, está bem definido que o LES não é uma doença contagiosa. Sabe - se também que o LES não passa para o bebê, mesmo que a mulher engravide já tendo a doença.

Qual a importância de fatores emocionais no lúpus?
... "Acho que fiiquei doente com o trauma da morte do meu marido. Eu só tinha 22 anos e estava com dois filhos para criar "...(AMN)
... "Quando perdi a minha filha, o lúpus voltou com a carga total "...

Os fatores emocionais têm importância em dois momentos diferentes na pessoa com LES. Muitas vezes, um fator emocional muito intenso como a perda de um parente próximo, ou uma separação desencadeia os sintomas da doença.

Ao mesmo tempo, para a pessoa que já tem lúpus, emoções negativas podem provocar uma reativação da doença. Esses fatores não são no entanto a causa da doença, mas contribem para sua exacerbação (reativação).

Sintomas

Entre os principais sintomas, estão lesões na pele, caracterizadas por vermelhidão nas maçãs do rosto e no nariz; dor e inchaço nas articulações; inflamação de pleura ou pericárdio (membranas que recobrem o pulmão e coração); inflamação no rim. Além de inflamações em pequenos vasos sanguíneos, causando lesões avermelhadas e dolorosas nas palma de mãos, planta de pés, no céu da boca ou em membros;

Há ainda possibilidade de aparecer alterações no sangue em mais da metade dos casos, como diminuição de glóbulos vermelhos (anemia), glóbulos brancos (leucopenia), dos linfócitos (linfopenia) ou de plaquetas (plaquetopenia).

Em casos menos frequentes, podem acontecer inflamações no cérebro, causando convulsões, alterações do comportamento (psicose) ou do nível de consciência e até queixas sugestivas de comprometimento de nervos periféricos.
De difícil diagnóstico, ele costuma ser feito depois de analisado exames de sangue junto ao conjunto de sintomas.

Tratamento

Apesar de o lúpus não ter cura, o tratamento, que deve ser individualizado, permite o controle da doença e a diminuição dos sintomas e efeitos colaterais dos medicamentos. Com tudo isso, o portador pode ter qualidade de vida. No Brasil são indicados o uso de anti-inflamatórios e imunosupressores (que reduzem a atividade do sistema imunológico).

Para evitar crises, os médicos recomendam evitar fatores que desencadeiam a doença. São eles: evitar tomar sol e outras formas de radiação ultravioleta, tratar infecções, evitar o uso de estrógenos (anticoncepcionais) e outras drogas (hidralazina, hidrazida, a procainamida) e evitar o estresse.

O reumatologista é o especialista mais indicado para fazer o tratamento e acompanhamento de pacientes com LES, e, quando necessário, outros especialistas devem fazer o seguimento em conjunto.

Texto adaptado
noticias.r7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...