SIGA-NOS NO GOOGLE+

MENSAGENS DE FÉ, ESPERANÇA E OTIMISMO

JOVENS AGRESSIVOS. DE QUEM É A CULPA?

Juventude confunde violência com brincadeira e ja não respeita os valores humanos.

Nos dias de hoje, é comum ouvimos falar de atos perversos cometidos por jovens que perderam qualquer noção de limite. Muitos não respeitam as mais elementares regras de bom convívio em sociedade, ajudando a moldar, assim uma geração totalmente desprovida de valores éticos e morais, que confunde muitas vezes violência com brincadeira.

Afinal, um ato que leva indivíduos a se divertirem diante do sofrimento alheio pode ser considerado brincadeira? Ou sentir prazer observando alguém ser covardemente maltratado? E vale ressaltar que tal comportamento é verificado em todas as classess sociais, das menos faforecidas às mais altas. Atitudes abjetas perceptíveis até mesmo entre aqueles que foram educados, teoricamente, da melhor forma e nos melhores colégios.

DE QUEM É A CULPA?

Quem são os verdadeiros culpados pelos atos violentos cada vez mais comuns na juventude? Os pais? Onde a família pode ter errado? O psiquiatra Elko Perissinotti, vice-diretor do Hospital-Dia do Instituto de Pesiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq-HCFMUSP), ajuda-nos a entender essa questão, fazendo, antes de tudo, um alerta: é preciso ter cautela no momento de apontar os culpados "A responsabilidade principal, em termos psicossociais, é do agressor, mesmo tendo ciência de que a estruturação da sua personalidade ocorreu desde o nascimentoou, talvez, desde a fase intrauterina, concorrendo para isso fatores genéticos, congênitos, microssociais (famíliar e escola) e macrossocias(a cultura e os hábitos da cidade e do país)", declara.

Perissinotti afirma ser necessário destacar a importância da família (pai e mãe), pois é uma espécie de espelho no desenvolvimento da personalidade dos filhos "Se não receberem a aprenderem o que é afeto, carinho, bem-querer e compaixão, desenvolverão frieza afetiva, intolerância, frustações e incapacidade para suportar as diferenças sendo extremamente egoístas e patologicamente narcisistas."E acrescenta: " E importante ainda a ideologia da escola, a opção dos professores para que haja a construção conjunta(professor-aluno)." O especialista esclarece que o comportamento sempre vai depender do padrão de investimento que a sociedade recebe. Se for positivo, teremos pessoas mais livres independentes e felizes "Se acontecer o oposto, haverá neuróticos, psicóticos e psicopatas", frisa.

INTOLERÂNCIA E DESRESPEITO

Atualmente, o comportamento de uma grande parcela dos jovens é semelhante: são intolerantes, desafiadores e desrespeitam regras e o próximo, Elko Perissinotti destaca que crianças e jovens se espelham nos pais, independente da classe social. "É comum percebemos certa rebeldia por parte dos adolescentes. Usando a velha nomenclatura, é a síndrome da adolescência", relembra.

Nos dias de hoje, tanto os adolescentes do morro quanto os do asfalto apresentam o mesmo linguajar(girias), atitudes(fazem bagunça nos transportes públicos, incomodam vizinhos com som alto, fazem pichações, etc.) e forma de pensar. Elko esclarece que a desigualdade provocou igualdade. A liberdade e a libertinagem faz parte de ambos. O psiquiatra conclui, afirmando que os seres humanos precisam sofrer um processo de sublimação para se tornarem mais racionais, sociais e humanos. "A civilação e a cultura têm um papel de domador e domestícador. Aceitamos a contragosto."

Como educar os filhos.

Os pais têm papel fundamental na formação dos jovens, cabendo a eles mostrar quais as regras a serem seguidas e o que é certo e errado para que seus filhos se tornem bons cidadões no futuro.

Elko declara ser indispensável que as figuras paterna e materna contribuam com a sua parcela. "É preciso exercitar o amor, sentimento em extição hoje em dia. É importante que os pais nunca fujam da sua obrigação, por mais incompetentes que se sintam, pois querendo, aprederão a ser competentes", Pondera.

De acordo com o psiquiatra, atualmente, pai e mãe estão repassando suas funções exclusivas para os professores. "Isso mostra que nestas famílias não há um lar estruturado nem amor. Marido e mulher não têm cumplicidade nem objetivos fortes de vida a dois, é cada um para seu lado e os filhos para outro, que, geralmente, é a escola."

Os pais têm papel fundamental no crescimento e na formação das crianças, cabendo a eles mostrar quais as regras a serem seguidas e o que é certo e errado para que seus filhos se tornem bons cidadões no futuro. "Mas a escola vem em segundo lugar, complementando a tarefa dos pais", ressalta Perrissinotti.

O especialista entende que o professor é uma espécie de referencial e que, por ele passa mais do que informação pois sua postura em sala de aula proporciona que os alunos absorvam seu código moral e ético. " Caráter, disciplina, responsabilidade e a sua ideologia existencial, certamente, serão internalizadas e imitadas. Não creio que os professores de hoje tenham atigindo o patamar de um bom referencial devido às necessidades que enfrentam e a vida sofrida que levam", analisa.

Elko Perissinotti explica que são poucos os pais realmente concientes da fragilidade e das condições da natureza humana. "não existe dificuldade de diálogo entre as gerações. Há, sim, uma confusão enorme de sentimentos possessivos: ciúme, inveja e raiva, que desesperam os indivíduos", salienta Elko, segundo o qual as pessoas geralmente ocultam esses sentimentos por não saberem o que fazer co eles " Mas pensam que ocultar. Portanto, as relações com os filhos tarnam-se uma farsa, por isso, os isso, os descendentes farsantes", alerta.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
DICAS DE RELACIONAMENTO
AVISO SOBRE DIREITOS AUTORAIS. Todos direitos reservados. Você não pode copiar, distribuir, exibir, executar, TEXTOS OU MENSAGENS DESSE BLOG sem que seja dado crédito ao autor.

Arquivo do blog